quinta-feira, 17 de abril de 2014

Tabela de Cartas Contempladas

Autos

ConsórcioCréditoEntradaDivida (R$)Observação
BRADESCO21.900,009.800,0040 X 472,00OPORTUNIDADE
BRADESCO23.000,006.900,0032 X 663,00DISPONIVEL
BRADESCO25.000,008.500,0043 X 600,00DISPONIVEL
BRADESCO22.800,008.900,0042 X 745,00DISPONIVEL
BRADESCO30.000,0012.800,0038 X 675,00OPORTUNIDADE
BRADESCO30.000,0012.800,0032 X 800,00DISPONIVEL
BRADESCO33.900,0010.800,0034 X 911,00DISPONIVEL
BRADESCO35.700,0010.900,0034 X 995,00RESERVADA
BRADESCO38.800,0017.900,0036 X 680,00RESERVADA
BRADESCO41.000,0015.900,0032 X 1.070,00DISPONIVEL
ITAÚ208.000,0077.900,0094 X 2.450,00RESERVADA

Imóveis

ConsórcioCréditoEntradaDivida (R$)Observação
PORTO104.500.0035.500,00153 X 760,00DISPONIVEL
PORTO220.000,0039.800,0064 X 4.150,00DISPONIVEL
PORTO362.000,00124.700,00143 X 2.850,00DISPONIVEL
CAIXA74.700,0012.500,0064 X 1.486,00DISPONIVEL
CAIXA90.000,0015.900,0065 X 1.621,00DISPONIVEL
CAIXA105.000,0029.800,00110 X 1.305,00DISPONIVEL
CAIXA121.000,0031.500,0072 X 1.1951,00DISPONIVEL
CAIXA160.000,0045.700,0091 X 2.060,00DISPONIVEL
ITAÚ229.000,0072.900,00147 X 1.895,00RESERVADA
ITAÚ406.000,00135.500,00155 X 3.080,00RESERVADA
ITAÚ660.000,00215.800,00151 X 5.289,00RESERVADA
ITAÚ812.000,00269.900,00148 X 5.712,00RESERVADA

Trabalhamos com as melhores Administradoras de Consórcio. Bradesco Consórcio Itaú Consórcios, Hsbc Consórcio,Rodobens Consórcio,Porto Seguro Consórcio, Caixa Consórcio, Consórcio Santander.Consórcio Banco do Brasil.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Novas Regras para Consórcio


                                                         Mudanças   no Setor de Consórcio

A principal é a possibilidade de uso desse instrumento nas áreas de serviços, viagens, tratamento dentário, cursos educacionais e até cirurgia plástica. “O consórcio estava vinculado aos setores automotivo e imobiliário. Agora, a pessoa pode fazer um consórcio para ir estudar fora do país, por exemplo”, disse Rodolfo Montosa, presidente da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac). Outro ponto positivo desta nova lei é a possibilidade de pagar alguns tipos de financiamentos através do consórcio, fugindo da cobrança de juros de uma modalidade convencional.

 
2. Como vai funcionar o consórcio para o setor de educação?

Agora o consumidor pode entrar em consórcios para pagar universidades, cursos de pós-graduação, cursos de línguas e até cursos profissionais no exterior.

3. Em que área da medicina será possível fazer consórcio?

O consumidor pode usar a modalidade para pagar tratamentos dentários e cirurgias plásticas. O consórcio não valerá para questões médicas de urgência, só para assuntos estéticos.

4. O que mais será possível fazer com o dinheiro do consórcio?

A modalidade está aberta à venda de serviços. Com isso, poderão ser formados consórcios para blindar e fazer a funilaria de carros e trocar a parte hidráulica e fiação da casa, por exemplo.

5. A nova regra muda algo para quem ficar inadimplente com o consórcio?

Sim. O inadimplente não precisará mais esperar até o fim do contrato para recuperar as parcelas pagas. A partir de agora ele terá o dinheiro assim que for sorteado, sendo descontado o valor da multa prevista em contrato. A regra, porém, só vale para quem entrar em consórcio depois da nova lei.

6. As novas regras já valem para quem está com contrato em andamento?

Não. De acordo com o Banco Central, a modificação das regras em contratos em andamento deverão ser aprovadas em assembléia com todos os participantes do grupo.

7. Como Funciona a transferência do dinheiro do consórcio para quitação de dívidas?

A lei especifica alguns setores em que o dinheiro do consórcio pode ser transferido para o pagamento. “Por exemplo, o consumidor que adquiriu um imóvel num contrato de juros altos pode agora transferir o dinheiro do consórcio do veículo, quando for contemplado, para quitar este imóvel”, afirmou Marcelo Borges, presidente da Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis. A lei não prevê quitação de cartão de crédito.

8. Quem ganha e quem perde com essas mudanças?

As três partes - consorciado, grupo de consórcio e administradora - ganham. O consorciado passa a ter mais segurança com a lei, pois fica ainda mais clara a responsabilidade do administrador. Também foi ampliada a necessidade de um capital mínimo para a operação, o que traz uma segurança maior para o grupo e para o administrador.

9. É mais barato comprar um veículo através de um consórcio ou financiamento?

O consórcio custa o preço do bem mais a taxa de administração, que costuma sair por volta de 0,15% ao mês. Já o financiamento tem juros que variam entre 1% e 2% ao mês. “O consórcio é mais barato, mas tem a desvantagem de o consumidor não retirar o produto na hora. A vantagem do financiamento é justamente essa: o consumidor leva a mercadoria na hora. Mas, para isso, você paga essa taxa de urgência, pois está comprando um bem sem ter dinheiro suficiente para o mesmo”, explica Montosa, da Abac.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Dicas para a compra do seu Imovel

A  Influencia  do Sol da Compra do seu  IMovel.


Preço, bairro, tipo, tamanho e preço são alguns aspectos que o consumidor leva em consideração na hora de comprar um imóvel. Mas há outros fatores que o cliente também avalia no processo de decisão. A posição do imóvel em relação ao sol e o modo como recebe os raios solares, por exemplo, influenciam questões pessoais, de conforto e saúde, assim como contribuem para a sua valorização. Portanto, essas informações ganham importância como argumento de venda, espaço em anúncios e nas plantas dos empreendimentos ? se for o caso.
Norte ou Sul? a face Norte permite melhor incidência de raios solares nos ambientes e diferença de valor de planta com essas vantagens pode chegar a 10%.

O interesse por empreendimentos localizados na frente Norte é maior no Hemisfério Sul, abaixo da linha do Equador, em zonas pouco tropicais. ?Quanto mais para o Sul, maior o interesse por este ângulo?, explica. A preferência se concentra em imóveis com maior ação da luz do sol nos dormitórios e na sala de estar no período da manhã.
?Para quem prioriza a entrada de raios solares, antes de comprar é importante verificar a planta do imóvel?. Janelas voltadas para o lado Norte permitem a manutenção do calor e iluminação do imóvel será melhor. Além de conforto e economia de gastos com luz, esse ângulo proporciona uma série de benefícios, pois garante sol na casa durante todo o dia.
Imóveis voltados para a face Sul podem ser frios, escuros e apresentar os problemas que a falta de luz e calor pode ocasionar, como mofo, umidade e dificuldade no desenvolvimento de plantas. Sem contar os transtornos para aqueles que sofrem de problemas respiratórios.
Mas nem sempre pagar mais caro pela face Norte significa um bom negócio. Às vezes, o imóvel voltado para a face Sul pode ser a melhor opção, não adianta investir mais em um empreendimento que oferece o lado Norte, se existe um enorme prédio à frente, bloqueando a entrada dos raios solares. ?Há casos em que as pessoas espalham cortinas e tapetes isolantes pela casa e impedem que o calor do sol seja absorvido. Em situações em que o apartamento está em um andar baixo e em uma vila cheia de edifícios, a probabilidade que o sol entre também é pequena.?

 Em empreendimentos isolados, com iluminação de todos os ângulos, decida por aquele em que os cômodos de maior permanência da casa estejam a favor do sol.
Se a ideia é comprar um terreno mais em conta e voltado para a face Sul, o conselho é buscar orientação de engenheiros e arquitetos, que irão dirigir um projeto adequado para manter o sol ao seu favor.
Para moradores de regiões mais quentes, que queiram proteger os ambientes da incidência da luz do sol e do forte calor, é interessante priorizar projetos que ampliem o caimento dos telhados do imóvel, fazendo mais sombra.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

O que é consórcio - História do Consórcio - Sistema de Consórcio

História do consórcio: No início da década de 60 (sessenta), com a instalação da indústria automobilística no território nacional e em decorrência da falta de oferta de crédito direto ao consumidor, funcionários do Banco do Brasil tiveram a idéia de formar um grupo de amigos, com o objetivo de constituir um fundo suficiente para aquisição de automóveis para todos aqueles que dele participassem. Surge, assim, no Brasil, o Sistema de Consórcio, mecanismo de concessão de crédito isento de juros, que tem por finalidade a aquisição de bens de consumo.

O consórcio constituiu-se como uma importante ferramenta para essa indústria recém instalada no País. Em 1967, a Willys Overland do Brasil (montadora de veículos) já possuía, em sua carteira de clientes, cerca de cinqüenta e cinco mil consorciados. Portanto, o consórcio teve sua origem ligada à indústria automobilística, e durante muito tempo o automóvel foi seu único produto.
No final de 1979, o setor de consórcios inicia seus estudos para o lançamento de grupos referenciados em motocicletas, caminhões e eletroeletrônicos.
Hoje, inteiramente consolidado, o Sistema de Consórcios, viabiliza a aquisição de diversos produtos que vão desde bens de produção, a caminhões, implementos agrícolas e rodoviários, ônibus, tratores, colheitadeiras, embarcações, aeronaves, computadores, antenas parabólicas, pneus, motocicletas, passando pelos eletroeletrônicos, kits de casa pré-fabricada, imóveis, construção, reformas e até serviços turísticos.
Atualmente o Sistema de Consórcios representa os interesses de mais de 3 milhões de consorciados e é responsável pela movimentação de cerca de 14 bilhões de reais que corresponde a aproximadamente 1% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, tendo entregado aproximadamente 10 milhões de bens nos últimos dez anos.

Consórcio






  • O Consórcio é modalidade de acesso ao mercado de consumo baseado na união de pessoas físicas e/ou jurídicas, com a finalidade de formar poupança destinada à aquisição de bens e serviços turísticos, sendo a Administradora de Consórcios, responsável por reunir os consumidores interessados.
Administradora do consórcio

  • A Administradora de Consórcios é empresa especializada na organização e administração de grupos de consórcio para a aquisição de bens e serviços turísticos. Para atuar no Sistema de Consórcios a administradora deverá ter, obrigatoriamente, autorização do Banco Central do Brasil.
Banco Central


  • O Banco Central do Brasil é a autoridade competente para os assuntos relativos ao Sistema de Consórcios, atuando como órgão normatizador e fiscalizador do Sistema

terça-feira, 6 de abril de 2010

F.G.T.S-Pode Liquidar ou Pagar Prestações, em Consórcio

17/03/2010 


Trabalhadores poderão usar FGTS em Consórcio.



Trabalhadores poderão usar o saldo do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para liquidar e pagar parte das prestações de consórcios imobiliários, a partir de quinta-feira (18). A medida foi aprovada pelo Conselho Curador do FGTS no final do ano passado e regulamentada pela Caixa Econômica Federal nesta semana.



A instituição lembra que o trabalhador já pode usar o saldo da conta vinculada para complementar a carta de crédito e para composição de lance. Para essas modalidades, as regras são as mesmas.



Segundo a Caixa, o trabalhador interessado em usar o saldo da conta vinculada deve procurar a administradora de seu consórcio, que tomará as providências necessárias.



O novo serviço estará disponível para trabalhadores inscritos em consórcios que já tenham sido contemplados com a carta de crédito e adquirido o imóvel. Para ter direito ao benefício, é preciso observar algumas regras. É necessário que o imóvel adquirido seja localizado onde o trabalhador exerça ocupação principal ou resida há mais de um ano (incluídos os municípios vizinhos ou da mesma região metropolitana).



Outra regra é que o trabalhador não pode ser proprietário de imóvel no local onde exerça ocupação principal, nem ser detentor de financiamento ativo do SFH (Sistema Financeiro da Habitação) em qualquer parte do território nacional, na data de aquisição. O imóvel e a cota de consórcio devem estar em nome do trabalhador titular da conta vinculada.



Além disso, o imóvel tem que ser residencial urbano e deve ter sido adquirido com os recursos da carta de crédito do consórcio. O valor avaliado para o bem, na data da aquisição, deve respeitar o limite estipulado pelo SFH, atualmente de R$ 500 mil reais.



De acordo com dados da Abac (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios), mais de 65 mil consorciados foram contemplados em 2009. No primeiro mês de 2010, esse número chegou a 5,2 mil.